MARATONA - MAD MAX (PARTE 2)

Filmes | Por Lucas Fowl | Em 07/05/2015

A segunda parte da maratona Mad Max, apresentada ontem com os dois primeiros títulos da série. Dessa vez trata-se do final da trilogia, imortalizado desde então. Confira: Mad Max - Além da Cúpula do Trovão!


MARATONA - MAD MAX (PARTE 2)

Cavaleiros e Amazonas, ontem iniciei aqui no site a MARATONA de filmes, e a primeira edição desse novo quadro do site trata-se da trilogia do Mad Max, filmes imortalizados no cinema por Mel Gibson, dirigidos por George Miller e que está virando moda nos dias de hoje por causa do lançamento de mais um filme para a série (que não se sabe se será reboot ou alguma parte da história ali entre o primeiro e o segundo filme da série), que se chamará Mad Max - A estrada da fúria

Enfim, Confira AQUI a primeira parte da postagem e leia agora a Parte 2

O filme que oficialmente revela sobre a crise mundial, o “pós-apocalíptico”. A terceira parte da série quase foi cancelado por conta de um acidente de helicóptero que Byron Kennedy sofreu pouco antes do começo das gravações, fazendo com que George Miller perdesse o interesse pela produção do filme - e foi graças a George Ogilve que o filme foi lançado, e com um cartão de título final descrevendo: “...Para Byron”.


Estou falando de MAD MAX 3 - ALÉM DA CÚPULA DO TROVÃO, com a presença da Rainha do Rock: Tina Turner (e a famosa música: We don’t need another Heeeero!)

O deserto é maior que nos filmes anteriores e com profundida de perdição, e as perseguições de carros-chacis são ainda melhores. É um filme um tanto enrolado no meio, onde Max encontra forças para voltar à lutar, mas que tem um roteiro mais do que acolhedor e interessante.


Max é assaltado no meio do deserto por um ladrão que utiliza-se de um avião e das acrobacias de seu próprio filho para roubar andarilhos, como Max (nota-se que este andarilho estava no segundo filme, onde se engraçou com uma guria da Fortaleza e foi embora com ela - e agora aparece com um filho). Ainda mais desorientado, Max chega até uma cidade no meio do deserto onde existe eletricidade (que é gerada através de fezes de porcos) e acaba encontrando as suas coisas que foram roubadas. Ao procurar pelo dono do lugar, acaba conhecendo a Governanta de toda a cidade, Aunty Entity, e ela lhe oferece um serviço sujo: Eliminar Master Blaster, um gigante que carrega um anãozinho nas costas, e donos da cidade toda. O gigante é a força bruta e o anãozinho é a mente brilhante do lugar. Max aceita o serviço e precisa entrar no THUNDERDOME - dois entram, um sai.

A ótima atuação de Turner é inegável, magnifica em seu papel de típico vilão-não-vilão, que não é maligno sem um motivo e sim um herói com um propósito diferente do que o protagonista tem. Tudo complica quando Max não consegue eliminar o seu inimigo no Thunderdome, e não cumpre a regra do "Dois entram, um sai".


SPOILER (para ler, passe o mouse ou clique em cima):

As cenas chatas e cansativas do filme está quando Max é encontrado por um pequeno grupo de jovens e crianças que vivem aguardando por uma figura heróica chamada de Walker, são elas que o ajudam a criar forças para voltar e buscar uma solução para o problema delas - afinal, precisam viver em condições melhores. O filme conta com perseguições incríveis pelo deserto, batalhas e tiros, é eletrizante e agonizante assistir todo o combate em alta velocidade, e para a época imagina-se que foi tão trabalhoso e tão inovador ver um combate no deserto como existiu nesse final de trilogia. O mundo selvagem que é este universo criado por George Miller é fascinante e combinado com ótimas atuações como a do lendário Gibson e de Tina Turner acaba tornando o filme mais do que apenas mais um filme de ação e ficção cientifica - o transforma em referencia para demais filmes do mesmo gênero.

FIM DO SPOILER


Curiosidades valiosas sobre o filme:

Para quem jogou Fallout 3, devem se lembrar de Little Lamplight, onde só vivem crianças e veem os adultos como vilões ou inimigos - uma referência monstruosa à Mad Max 3!

Existe um restaurante na cidade pós apocalíptica chamada de “The Atomic Cafe”. Referencia de um documentário com o mesmo nome, feito em 1982 que falava sobre o medo da Guerra Fria e das Explosões Nucleares.

E para os fãs de Clint Eastwood: Quando Max é chamado para entrar em Thunderdome, é citado apenas como “Homem Sem Nome”, isso faz referencia à diversos filmes de Eastwood, principalmente no filme “Por um Punhado de Dólares” (1964)


Com tudo isso, você está apto a assistir à Mad Max - A Estrada da Fúria, em breve nos cinemas, e voltarei, é claro, com uma análise completa! Até lá!